fbpx
(17) 3211-2900
uniradio@terra.com.br

Hábitos saudáveis e dieta rica em fibras auxiliam na prevenção do câncer colorretal

É chamado câncer colorretal quando os tumores se manifestam entre o intestino grosso até o reto.

Ele pode atingir homens e mulheres em proporções bem parecidas. É possível tratar o câncer colorretal e curá-lo, especialmente quando descoberto na fase inicial.

“Em geral o câncer colorretal se manifesta primeiramente através da formação de pólipos benignos, que se instalam na parede interna do intestino grosso. E eles podem levar mais de 10 anos para se desenvolverem, não apresentando qualquer sintoma. Por isso, quem está no grupo considerado de maior risco, deve ficar atento, e falar com o seu médico sobre a necessidade de exames preventivos específicos”, aconselha a radio-oncologista da Urrmev, Dra. Ana Maria Garcia Cardoso.

Alguns fatores de risco que devem ser considerados são: histórico familiar da doença; histórico pessoal de câncer de intestino, útero, ovário e mamas; histórico de doenças inflamatórias de intestino como Crohn e retocolite; ter mais de 50 anos; estar acima do peso ideal; ser fumante; consumir grande quantidade de bebida alcoólica; e ter uma alimentação desregrada, com consumo excessivo de carne vermelha e processadas.

Alimentos previnem câncer colorretal

Para auxiliar na prevenção do câncer colorretal o indicado é ter hábitos saudáveis como:

  • Manter uma dieta equilibrada, rica em legumes, verduras, frutas e grãos integrais, pois a ingestão de fibras auxilia para que o intestino trabalhe regularmente.
  • Excesso de carne vermelha, processada e outras opções de alimentos ultraprocessados, devem ser evitados.
  • Não fumar e evitar ambientes com fumantes.
  • Controlar o consumo de bebidas alcoólicas, pois o alcoolismo está relacionado aos casos de câncer colorretal, especialmente em homens.
  • Manter o peso corporal adequado.
  • Ter uma rotina de atividades físicas.
  • Em muitos casos a prevenção do câncer colorretal envolve também o chamado rastreamento de rotina, quando é indicado fazer o exame de colonoscopia. Ele detecta os pólipos que podem evoluir para um câncer e que geralmente são silenciosos, podendo levar entre 10 e 15 anos para apresentar sinais da doença. Fazer o acompanhamento de possíveis pólipos, ou mesmo retirá-los, salva muitas vidas.

Sintomas

Embora o câncer colorretal não apresente sintomas específicos, especialmente em fases iniciais, quando eles ocorrem podem ser confundidos com os de outros problemas intestinais. Fique atento e busque ajuda especializada caso apresente:

  • Mudança no hábito intestinal, com diarreias ou prisão de ventre frequentes e que não costumavam ocorrer.
  • Sangue nas fezes.
  • Sensação de fraqueza e quadro de anemia sem causa aparente.
  • Perda de peso sem causa aparente.
  • Desconforto, inchaço ou dor abdominal que não passa.

Diagnóstico e Tratamento

O diagnóstico se dá pelo histórico clínico, aliado com exames laboratoriais e clínicos, como a colonoscopia ou retossigmoidoscopia. Além da biópsia.

Assim como em outros tipos de cânceres, quanto antes um câncer colorretal é descoberto e tratado, maiores são as chances de cura.

“O tratamento é realizado inicialmente com a cirurgia oncológica, com a retirada do tumor e das áreas de drenagem linfática, que pode ser precedido ou não com a quimioterapia, e seguido de radioterapia. Como qualquer tratamento oncológico, deve ser previamente estadiado, que é o estudo através de exames radiológicos (ultrassonografia, tomografia computadorizada e outros), sendo que tem destaque para a colonoscopia, que é muito importante para o diagnóstico e estadiamento. Através dele podemos estabelecer o melhor tratamento para o caso”, finaliza a radio-oncologista da Urrmev Dra Ana Maria Garcia Cardoso.

Comments are closed.