(17) 3211-2900
uniradio@terra.com.br

Autocuidado é essencial na prevenção do Câncer de Mama

Estamos em outubro, mês que se convencionou ser o mês de prevenção do Câncer de Mama, o Outubro Rosa.

Autocuidado é amar a si, preservar a sua saúde, prevenir o câncer, cuidar-se e aumentar a sua qualidade de vida.

Praticar o autocuidado e um ato de amor próprio, um exercício de cuidar de si, realizar ações que lhe façam bem e promovam sua saúde física e mental, gerando mais qualidade de vida e bem estar.

Quando falamos de Câncer de Mama, o autocuidado é preservar suas mamas, reduzindo os riscos que possam levar a doença.

Autocuidado na prevenção do Câncer de Mama

A mulher tem um papel muito importante na prevenção do Câncer de Mama, portanto deve adotar comportamentos que resultem na diminuição dos riscos da doença e que aumente o estado de saúde do seu organismo.

De acordo com o ministério da saúde, investir em hábitos saudáveis pode diminuir em até 30% o risco de desenvolver o câncer de mama.

Algumas destas práticas estão diretamente direcionadas com a adequação da rotina como: manter uma alimentação saudável e equilibrada, praticar atividades físicas, evitar consumo de álcool e cigarro, manter o peso corporal adequado, evitar o estresse, amamentar, visitar seu medico e estabelecido por ele.

É importante a conscientização sobre o tipo de tumor que mais afeta à população feminina, o Câncer de Mama.

Quando falamos de prevenção de Câncer de Mama, falamos em “autocuidado”, e preservar a saúde do seu corpo e de suas Mamas.

Autoexame e mamografia

A prevenção do Câncer de Mama,  faz basicamente através do “autoexame das mamas”, e realização da mamografia ou ultrassonografia a partir dos 45 anos anualmente, ao aparecimento de qualquer sinal devemos procurar o médico, estes sinais variam de:

Alteração da pele da mama ( se fica mias áspera, rugosa, avermelhada ou quente.
Se ocorre o aparecimento de algum nódulo ou “ caroços nas mamas ou axila”.
Secreções ou alterações do mamilo.

É extremamente importante o acompanhamento com especialista, “ginecologista ou mastologista” cada 06 meses durante a fase fértil da mulher (após a menarca até a  menopausa). Após a menopausa, fazer visita ao seu medico anualmente.

Diagnóstico precoce aumenta chances de cura

Embora o Câncer de Mama possa ocorrer em idades mais jovens, isto é, abaixo dos 45 anos, a maior incidência ocorre em mulheres em idade acima de 55 anos.

Lembre-se, quanto antes o câncer é diagnosticado maiores as chances de cura. “Pessoas que investem em sua saúde, além de diminuir os riscos e aparecimentos de várias doenças, mostram o quanto respeitam a si mesma, e buscam o melhor para si,  isto é autocuidado.

Esta pratica deve ser incorporada por homens e mulheres. Cuidar de nós em primeiro lugar, deve ser o nosso compromisso maior.

Sabemos que os homens, por questões culturais não levam a sério os exames preventivos, e isto leva a diagnóstico tardios, é preciso rever este conceito”. Aconselha a Radioncologista Dra. Ana Maria Garcia Cardoso.

Fatores de risco

O fator genético é importante, mas somente 05 a 10% dos casos de Câncer de Mama são hereditários, o que significa que resultam de mutações genéticas herdadas de um dos pais, sendo que a paciente que tenha uma tia, mãe ou irmã ou filha, com o tumor tem mais probabilidade que outra que não tenha este parentesco.

A causa mais comum do Câncer de Mama hereditário é quando ocorre uma “mutação” nos genes BRCA1 e BRCA2.

Quanto à raça, a mulheres brancas e mais altas, tem maiores chances de desenvolver o Câncer de Mama. As mulheres de pele negra tem menor chance de desenvolverem o tumor.

As pacientes com mamas densas,  tem um risco de 02 vezes maior que as pacientes com densidade média da mama.

Mulheres que tiveram menarca antes dos 12anos e menopausa após os 55 anos vem a ter maiores riscos, pois tiveram maior tempo de exposição hormonal.

Tratamentos do câncer de mama

Quanto ao tratamento, o médico irá discutir com a paciente as opções de tratamento, diante do tipo de tumor, e o estádio clinico da doença, diante dos resultados do exame clinico e radiológicos de Ultrassonografia, Tomografia, Ressonância Magnética, RX de Tórax  etc, e o exame de patologia da biopsia.

Os tratamentos dependerão de vários aspectos da fisiopatologia do tumor, tipo de tumor e estadiamento.

Podendo ser localizado quando são lesões muito restritas e iniciais que seriam a Cirurgia e a Radioterapia.

Os tratamentos radioterápicos que dispomos na URRMEV são:

1 - Radioterapia Conformacional 3D

2 - Radioterapia de Intensidade Modulada – IMRT

3 - Radioterapia Guiada por Imagem – IGRT

Cada tratamento tem sua indicação precisa de acordo com o caso da paciente.

Tem ainda os tratamentos com enfoque sistêmico que na grande maioria dos casos são:

- Quimioterapia

- Hormonioterapia

- Terapia Alvo

- Imunoterapia

A equipe terapêutica deve ser formada por Cirurgião Oncológico, Oncologista Clinico, Radiooncologista, Cirurgião Plástico, e também podem ser envolvidos durante o tratamento, enfermeiros, nutricionistas e fisioterapeutas, assistentes sociais e psicólogos.

É muito importante que sejam discutidas entre médico e paciente as opções terapêuticas suas ações e efeitos colaterais, para que se opte para o melhor tratamento em cada caso.

A URRMEV dispõe de uma Equipe Multidisciplinar onde o paciente é acolhido e orientado durante todo o tratamento radioterápico e o acompanhamento do seu médico.

Comments are closed.